Herdeiro

Herdeiro: saiba como sacar FGTS ou cotas do PIS/PASEP de trabalhador falecido

Você, herdeiro, sabia que tem direito a sacar o FGTS e/ou as cotas do PIS/PASEP do trabalhador falecido sem que seja necessária a abertura de inventário de bens?

Nos termos do art. 1° da Lei 6.858/80, bem como do art. 666 do Código de Processo Civil, os valores não pagos em vida ao trabalhador falecido serão pagos, igualmente, aos dependentes habilitados na Previdência Social ou, caso não haja dependentes habilitados no órgão, aos herdeiros, indicados em alvará judicial, independentemente da prévia abertura de inventário ou arrolamento.

Assim, se você está habilitado na Previdência Social (INSS) como dependente do trabalhador falecido que laborou em empresa privada, basta comparecer na agência da Caixa Econômica mais próxima de sua residência para saque do FGTS e/ou PIS, com a seguinte documentação necessária: • Documento de identificação do trabalhador falecido (RG, CPF e data de nascimento);
• Número do NIS/PIS do trabalhador falecido;
• Certidão de óbito;
• Certidão ou declaração de dependentes habilitados à pensão por morte expedida pelo INSS.

Para saque do PASEP, que são as cotas vinculadas aos servidores públicos, deve-se comparecer no Banco do Brasil com a seguinte documentação necessária: • Documento de identificação do trabalhador falecido (RG, CPF e data de nascimento);
• Certidão de óbito;
• Certidão ou declaração de dependentes habilitados à pensão por morte expedida pelo INSS ou certidão de dependentes expedida pela Entidade Pública Empregadora, na qual conste o nome completo do dependente, data de nascimento e grau de parentesco ou relação de dependência com o participante falecido.

Contudo, caso você não esteja habilitado como dependente do trabalhador falecido nos cadastros da Previdência Social, para levantamento dos valores de FGTS e/ou PIS/PASEP é necessário um ALVARÁ JUDICIAL autorizando a liberação da quantia depositada.

Para tanto, procure-nos munido de seus documentos pessoais, os documentos pessoais e certidão de óbito do falecido e a certidão de inexistência de dependentes fornecida pelo INSS.

A ordem de sucessão, nos termos do art. 1.829 do Código Civil, defere-se na seguinte ordem:

I – aos descendentes, em concorrência com o cônjuge sobrevivente; 
(salvo se casado este com o falecido no regime da comunhão universal, ou no da separação obrigatória de bens (art. 1.640, parágrafo único); ou se, no regime da comunhão parcial, o autor da herança não houver deixado bens particulares.)

II – aos ascendentes, em concorrência com o cônjuge sobrevivente;

III – ao cônjuge sobrevivente;

IV – aos colaterais.

Portanto, na ausência de um herdeiro, passa-se ao próximo, seguindo a ordem acima. Ainda, vale ressaltar que o cônjuge sobrevivente apenas terá direito aos valores se, ao tempo da morte do outro, não estavam separados judicialmente ou separadores de fato há mais de dois anos.

Não se esqueça que o saque de valores de FGTS ou PIS/PASEP podem acontecer a qualquer tempo, não respeitando os prazos de pagamentos de outras modalidades.

Fale com um advogado especialista em direito de família

Contate-nos para maiores informações!

Rua Jaiminho - 172 - sala 15 - Vila Progresso - Guarulhos - SP

☎ 11 2447-2126

📧 [email protected]

Por: @maekawacaroline

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *